Sem categoria

Subordinado a Moro | Coronel que elogiou amotinados tinha confiança da PM do Ceará

Coronel da Polícia Militar do Ceará e coordenador da Força Nacional, Antônio Aginaldo de Oliveira, que elogiou em discurso no domingo (1º) a "coragem" de PMs amotinados, é avesso à política, nunca participou de motins e comandou, até o ano passado, uma unidade especializada do Batalhão de Choque. Aginaldo esteve à frente do CEP (Comando…

Coronel da Polícia Militar do Ceará e coordenador da Força Nacional, Antônio Aginaldo de Oliveira, que elogiou em discurso no domingo (1º) a “coragem” de PMs amotinados, é avesso à política, nunca participou de motins e comandou, até o ano passado, uma unidade especializada do Batalhão de Choque.

Aginaldo esteve à frente do CEP (Comando de Policiamento Especializado) até janeiro de 2019. Considerado um policial discreto e bem avaliado, gozava de prestígio e tinha a confiança do comando da Polícia Militar cearense, subordinado ao governador Camilo Santana (PT). 

O coronel deixou o cargo no início do ano passado para assumir a Força Nacional após convite do secretário nacional de Segurança Pública, o general da reserva Guilherme Theophilo, que ficou em segundo lugar na disputa pelo governo do Ceará em 2018.

Camilo Santana, reeleito em primeiro turno, teve 79,9% dos votos, contra 11,3% do general Theophilo, que se desfiliou do PSDB após a eleição.

Nos bastidores, o fato de Aginaldo ter aceitado o convite do principal opositor de Camilo Santana gerou desconforto em setores do governo ligados à área de segurança pública.

Mesmo assim, o governo resolveu não impor obstáculos por entender que a escolha de Aginaldo para a Força Nacional mostrava a eficiência da polícia cearense.

O coronel orgulha-se de ser um dos dois únicos oficiais “caveira” no Ceará. A denominação é dada no meio policial àqueles que concluem o curso do Bope-RJ (Batalhão de Operações Especais).

Após ser baleado em uma operação policial, foi promovido por bravura de tenente para capitão. Participou das operações policiais da Copa do Mundo em 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro.

Não tem perfil em redes sociais. Torcedor do Fortaleza, costuma ir ao Castelão ver o seu time jogar. Graduado em educação física pela Escola de Educação Física do Exército Brasileiro, gosta de correr nas horas vagas. 

Após se casar com a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), em fevereiro deste ano, uma das principais vozes no Congresso em defesa do governo Jair Bolsonaro, seu nome ganhou destaque nacional.

O ministro da Justiça, Sergio Moro, foi um dos padrinhos do casamento. Em entrevista a uma rádio de São Paulo, Zambelli, ao revelar que estava namorando, disse, em tom de brincadeira, que o presidente tinha autorizado.

“Estou apaixonada. O presidente já está sabendo. Já fui pedir autorização dele. Ele tem 51 anos”, falou.

Em seguida, ao escutar insinuações relacionadas à idade do então namorado, a deputada emendou: “Ele não precisa de Viagra. Ele é caveira. Caveira não precisa de Viagra. Ele se chama coronel Aginaldo”, disse em meio a risos.

Entre os companheiros da Polícia Militar, é tido como um policial eficiente e fiel à instituição. Não participou dos motins da PM do Ceará em 1997 e em 2011.

Reservadamente, um coronel da PM cearense diz ainda não ter entendido suas declarações em relação aos policiais que estavam amotinados no Ceará.

Outro colega o defende, alegando que ele fazia um contraponto às mulheres dos policiais, que estavam os chamando de frouxos por encerrar o movimento. 

“Acreditem, vocês são gigantes, vocês são monstros, vocês são corajosos e demonstraram isso nesses 10, 11, 12 dias que estão dentro desse quartel em busca de melhorias da classe. E vão conseguir, tenham certeza disso”, discursou Aginaldo.

A paralisação da PM do Ceará foi encerrada naquele dia, após acordo entre amotinados e o governo de Camilo Santana. Em meio ao motim, homens da Força Nacional de Segurança foram enviados ao estado pelo ministro Sergio Moro para reforçar a patrulhamento das ruas.

“Isso que os senhores estão fazendo não é para todo mundo. É aquela coisa: os covardes nunca tentam. Os fracos ficam pelo meio do caminho. Só os fortes conseguem atingir seus objetivos, e vocês estão atingindo”, disse Aginaldo os policiais. “Os senhores se agigantaram de uma forma que não tem tamanho.”

O discurso aconteceu pouco antes de uma votação em que os amotinados decidiram voltar ao trabalho, encerrando a paralisação. O coronel fez um apelo pelo retorno dos policiais às ruas, elogiando a coragem dos PMs.

“Encerrando essa paralisação hoje, podem ter certeza, os senhores vão sair daqui do tamanho do Brasil. Já são grandes, já são corajosos. É muita coragem fazer o que os senhores estão fazendo”, disse.

Nesta terça (3), a Assembleia do Ceará aprovou uma emenda à Constituição estadual que proíbe a anistia a PMs envolvidos em motins.

Durante a paralisação, que teve início na tarde do dia 18 de fevereiro, os índice de homicídio explodiram no Ceará.

De 19 a 27 de fevereiro, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social, foram 241 assassinatos no estado, uma média de 26,7 por dia. De 1 e 18 de fevereiro houve 164 homicídios, média de pouco mais de nove, número semelhante ao de janeiro de 2020, que teve 261 assassinatos o mês todo.

Em nota enviada pelo Ministério da Justiça, a Força Nacional disse que Aginaldo “fez um discurso interno para os policiais, parabenizando-os pelo fim da paralisação e por não condicioná-lo à exigência de benefícios, como a anistia”.

No dia 19, o senador licenciado Cid Gomes (PDT) foi baleado por amotinados em Sobral, no interior do estado, após tentar invadir um batalhão com uma retroescavadeira. Cid levou dois tiros, mas passa bem.

Fonte

Tradutor - Translate »