EXÉRCITO

Ministro brasileiro diz que países mentem sobre Amazónia para derrubar Bolsonaro

Ministro brasileiro diz que países mentem sobre Amazónia para derrubar Bolsonaro
JN/Agências 21 Setembro 2020 às 22:21 O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) brasileiro, Augusto Heleno, acusou esta segunda-feira governos de outros países e personalidades estrangeiras de mentirem sobre a devastação da Amazónia com a intenção de derrubar o Presidente, Jair Bolsonaro. "Não podemos admitir e incentivar que nações, entidades e personalidades estrangeiras, sem um passado que lhes…

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) brasileiro, Augusto Heleno, acusou esta segunda-feira governos de outros países e personalidades estrangeiras de mentirem sobre a devastação da Amazónia com a intenção de derrubar o Presidente, Jair Bolsonaro.

Não podemos admitir e incentivar que nações, entidades e personalidades estrangeiras, sem um passado que lhes dê autoridade moral para nos criticar, tenham sucesso no seu objetivo principal, obviamente escondido, mas evidente para os não inocentes, que é prejudicar o Brasil e derrubar o Governo de Bolsonaro“, disse Augusto Heleno, general na reserva do Exército brasileiro.

A afirmação foi feita numa audiência pública virtual inédita, convocada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para discutir a política ambiental do atual executivo, especialmente a falta de ações para mitigar a crise climática, e na qual várias autoridades se pronunciaram.

O ministro do GSI aproveitou a sua intervenção para se referir à pressão que o Brasil tem sofrido nas últimas semanas devido aos incêndios na Amazónia, a maior floresta tropical do planeta, por governos, organizações não-governamentais (ONG), bancos internacionais e até pelas próprias empresas brasileiras.

Apesar dos incêndios na Amazónia terem diminuído em relação a 2019 – este ano os fogos foram mais graves no Pantanal -, o número ainda é alto, situação que justificou os ataques dos ecologistas a Bolsonaro, que é acusado de incentivar os fogos devido à sua retórica antiambientalista e pelas suas políticas de exploração da floresta.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, reiterou na sexta-feira o seu repúdio à ratificação do acordo de livre comércio entre a União Europeia (UE) e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) por questões ambientais, entre as quais citou uma política ambiental omissa face à destruição da Amazónia.

Hoje, várias ONG lançaram uma campanha para boicotar os produtos cárneos que a União Europeia importa do Brasil, considerando que os produtores promovem a desflorestação da Amazónia para aumentar as suas áreas de pastagem.

Augusto Heleno, que não citou nenhum país em particular, afirmou que alguns brasileiros unem forças com “estrangeiros que nunca colocaram os pés na Amazónia e só a conhecem em fotografias” para apresentar o Brasil como o “vilão” da desflorestação e do aquecimento global.

Pior, usam falsos argumentos, fabricam e manipulam números e acusações infundadas para prejudicar o Brasil“, disse o ministro, para quem essa campanha é liderada por grupos internacionais incomodados com o Governo de Bolsonaro.

Segundo o ministro, grupos com interesses políticos no Brasil, e os seus aliados externos, alegam que o Governo de Bolsonaro nada faz para combater os crimes ambientais porque até hoje não admitem a “alternância de poder”, em referência à ascensão de Bolsonaro (vinculado à extrema-direita) após 13 anos de governos de esquerda.

O governante indicou ainda que não há “comprovação científica” de que o aumento das queimadas na Amazónia foi causado por omissões governamentais: “Esses são fenómenos naturais, cuja ação humana é incapaz de impedir”, frisou.

Fonte

Tradutor - Translate »