MUNDO

Em protesto, Dirceu diz que discurso anticorrupção de Bolsonaro “é uma farsa”

Em protesto, Dirceu diz que discurso anticorrupção de Bolsonaro “é uma farsa”
O ex-ministro José Dirceu (PT) foi ao protesto realizado contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) neste sábado (3.jul.2021) em Brasília. Dirceu disse que Bolsonaro deve ser investigado pelas suspeitas de corrupção na compra de vacinas contra a covid-19 e que o discurso anticorrupção do governo é “uma farsa”.“É uma farsa. Todos os mandatos dele…

O ex-ministro José Dirceu (PT) foi ao protesto realizado contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) neste sábado (3.jul.2021) em Brasília. Dirceu disse que Bolsonaro deve ser investigado pelas suspeitas de corrupção na compra de vacinas contra a covid-19 e que o discurso anticorrupção do governo é “uma farsa”.

“É uma farsa. Todos os mandatos dele e dos filhos são de rachadinha. Eles não explicam o patrimônio deles. Ainda tem o assassinato da Marielle e do Anderson, as relações com as milícias, o laranjal na campanha, as fake news financiadas ilegalmente por caixa 2 de empresas e agora é preciso investigar -tem a presunção de inocência e o devido processo legal na CPI e depois na Justiça -, mas os indícios, as denúncias precisam ser investigadas”, afirmou Dirceu, em entrevista ao Poder360.

O petista também falou sobre a aliança de Bolsonaro com Centrão. Disse que a estratégia, criticada pelo presidente na campanha de 2018, fez o governo perder muitos aliados e acabar no “mesmo de sempre”. “Isso de que o governo não tem corrupção, eles mesmos sabem que não é verdade. O bolsonarismo sofreu grandes dissidências por causa da aliança com o Centrão, por causa do mesmo de sempre.”

Uma das principais figuras do escândalo do Mensalão, Dirceu também cobrou investigações sobre a postura do ex-juiz Sergio Moro e dos procuradores da Lava Jato. Afirmou que a corrupção é um “problema grave do país”, que existe há décadas e só vai acabar se o Brasil fizer uma reforma política e “mudar o caráter do controle do Estado”. “A corrupção é um problema grave do país, não digo que não é”, afirmou.

O ex-ministro também disse, contudo, que o maior erro do governo Bolsonaro na gestão na pandemia de covid-19 não estava no suposto esquema de corrupção investigado pela CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, mas na decisão de retardar a compra do imunizante e no negacionismo da pandemia.

“Na verdade, ele queria imunizar com a contaminação de toda a população. Podiam morrer 1,5 milhão ou 2 milhões de brasileiros. A partir daí, ele negou a vacina e o isolamento. E ele fez pior para a economia. Se tivesse reconhecido o isolamento e assumido a vacina, a economia teria se recuperado muito antes. Felizmente o Congresso aprovou o auxílio emergencial, o Pronampe e o BEm, que evitaram o pior”, afirmou.

Manifestação

A presença de José Dirceu no ato deste sábado (3.jul.2021) foi comemorada por vários manifestantes que ocuparam a Esplanada dos Ministérios. Ele vestia uma camisa da Geração 68, em alusão ao movimento estudantil que lutou contra a ditadura militar. Em entrevista ao Poder360, disse que é a 2ª vez que vai às ruas contra Bolsonaro em 2021.

Na avaliação do ex-ministro, os protestos contra Bolsonaro indicam que a população brasileira quer “virar a página do bolsonarismo” e que o governo precisa ser investigado pelas suspeitas de propina na compra das vacinas contra a covid-19.  “Quando nós falamos fora Bolsonaro, é para a Justiça e o Congresso analisarem e votarem”, afirmou.

“A imensa maioria do povo brasileiro quer superar o Bolsonaro e quer decidir nas urnas quem governará o Brasil a partir de 2023. O sentido aqui é de, primeiro, denunciar as tentativas golpistas dele -de tentativa de voto impresso, distritão, fraude – e, segundo, a ação criminosa, porque é disso que se trata, na pandemia -a sabotagem da vacina e do isolamento.”

Com figuras de esquerda e também de direita apoiando as manifestações e o impeachment de Bolsonaro, Dirceu disse que o movimento também “expressa o sentimento de que o Brasil precisa retomar o diálogo, o país precisa se reunificar e pacificar, pelas urnas e pela democracia”.

José Dirceu participa de protesto contra Bolsonaro em Brasília Foto: Sergio Lima/ Poder360 – 3.jul.2021

Impeachment

José Dirceu afirmou que Bolsonaro “comete crime todo dia, quando fala que não é para vacinar e não é para pôr máscaras”. O petista disse que o presidente da República também representa uma ameaça à democracia, na medida em que tenta trazer as forças armadas para dentro do governo.

“Bolsonaro não conhece o Brasil, não sabe o que é o Brasil e não está à altura de governar o Brasil. Mas ele ganhou a eleição. Agora, ele não pode praticar crimes. Se ele pratica crime de responsabilidade, ele tem que sofrer impeachment”, afirmou.

Na avaliação de Dirceu, a “classe média conservadora de direita” também vai sair às ruas contra o governo de Bolsonaro. Porém, ele diz não acreditar no impeachment de Bolsonaro. Fala que partidos de direita não devem embarcar no pedido.

“Eu não acredito que o PSDB, o DEM e o MDB queiram o impeachment. O eleitorado deles, a base social deles, tudo indica que sim. Quando a pandemia diminuir, você vai ver as ruas, a classe média conservadora de direita nas ruas”, afirmou.

O ex-ministro, contudo, provocou os congressistas, responsáveis pela análise dos pedidos de impeachment: “Como o Congresso vai se comportar se for o desejo da imensa maioria do país? Nós vamos conviver com Bolsonaro fazendo o que ele faz mais 1 ano e meio? Ele vai ao Mato Grosso e ataca os senadores, diz que são ladrões. Vamos conviver com ele? E a imagem do país?”

2022

Para José Dirceu, a sociedade brasileira vai decidir nas urnas quem será o próximo governante do país. Ele falou que, se depender do PT (Partido dos Trabalhadores), Lula será candidato em 2022, e afirmou que Bolsonaro não será reeleito. “Bolsonaro não tem mais apoio do país. Ele não vencerá a eleição. Quem será é uma decisão do povo, nas urnas”, disse.

Para Dirceu, o que ainda garante alguma sustentação ao governo Bolsonaro são as “elites” que apoiam a diretriz econômica do ministro Paulo Guedes. “Hoje, quem apoia o Bolsonaro? Nem o partido dele. O Bolsonaro não tem o apoio das elites do país. O problema é que elas querem continuar o programa econômico e não querem que Lula vença”, afirmou.

O petista negou haver uma polarização entre Lula e Bolsonaro. Disse que Lula é o nome natural do PT porque “amplas forças políticas e sociais, mesmo do Centro”, apoiam o ex-presidente. “Se pensar friamente, qual liderança tem experiência, legitimidade e liderança internacional, base social e partidária para tirar o Brasil dessa situação que o Bolsonaro colocou? É o Lula, é uma contestação”, afirmou.

O ex-ministro, que ajudou a eleger Lula em 2002, disse, contudo, que esta é uma decisão que cabe ao ex-presidente e negou que manifestações como a deste sábado (3.jul.2021) façam parte da campanha do PT para 2022. Ele também afirmou que não vai participar da campanha ou do governo, caso Lula seja candidato e vença a próxima eleição presidencial. Dirceu disse que não cogita nem uma eleição parlamentar. Falou que agora é apenas um cidadão.

Continuar lendo

Fonte

Tradutor - Translate »