DESTAQUE

Elon Musk quer Marte como um refúgio para ricos?

Elon Musk quer Marte como um refúgio para ricos?
Existe muita bobagem nas Interwebs envolvendo Marte, mais ainda depois do surgimento da SpaceX de Elon Musk, mas uma das maiores bobagens é que Marte seria um refúgio para os Super-Ricos, enquanto o pobraiada toda ficaria ralando na Terra. Elon Musk apresenta seus planos: vamos virar uma espécie interplanetária SpaceX faz História: Primeiro voo da…

Existe muita bobagem nas Interwebs envolvendo Marte, mais ainda depois do surgimento da SpaceX de Elon Musk, mas uma das maiores bobagens é que Marte seria um refúgio para os Super-Ricos, enquanto o pobraiada toda ficaria ralando na Terra.

  • Elon Musk apresenta seus planos: vamos virar uma espécie interplanetária
  • SpaceX faz História: Primeiro voo da Starship foi (98%) um sucesso

Evil Musk is Evil (Crédito: Editoria de Arte)

Chega a ser engraçado, nem em The Expanse é assim, mas esse cenário é bem comum na ficção científica; um mundo pós-apocalíptico, com sobreviventes ralando para sobreviver, enquanto uma elite se empanturra secretamente.

Mad Max, o Battlestar Galactica Original, todo filme pós-apocalíptico dos anos 70/80, a lista é imensa. Um dos exemplos mais recentes é uma vergonha cinematográfica chamada Elysium, que parece ter sido escrito por um aluno de DCE.

No filme a humanidade vive em imensas favelas (quando é pra demonizar os ricos não precisa chamar de Comunidades) trabalhando em fábricas desumanas, enquanto os ricos moram em uma estação espacial utópica, que lança mísseis contra naves de refugiados.

O que não explicam é quem consome os bens produzidos por aquelas fábricas, se o povo vive em dieta de subsistência. No mínimo o fluxo do dinheiro… não funciona.

Imagine manter essa estrutura sem uma economia funcional. (Crédito: TriStar Pictures()

O mais problemático no caso da acusação envolvendo Marte é que Marte será uma COLÔNIA, com zero de infraestrutura, incluindo ar e proteção contra radiação. Em toda a História da humanidade, nunca, JAMAIS ricos se mudaram voluntariamente para colônias, ao menos durante suas fases iniciais.

E estamos falando de colônias aonde havia água, comida, ar respirável e mão-de-obra local abundante, que o diga Leopoldo II, aquele grandessíssimo filho de uma dama que troca favores por dinheiro.

Se no tempo em que o grande conforto da vida moderna era um penico com alça ninguém queria sair de Londres pra ir morar em Cucamonga, imagine hoje em dia, aonde o sujeito podre de rico tem acesso a mulheres, carros, mulheres, mansões, mulheres, iates… quer dizer, a vida dos muito ricos na Terra é… atraente.

Em Marte pelo menos durante os primeiros 30 ou 40 anos as instalações serão todas subterrâneas. Espaço será um recurso caríssimo, pois cada metro cúbico precisa ser escavado. Um alojamento de luxo provavelmente caberá na sala da casa de cachorro do Jeff Bezos.

OK, Marte pode ter suas vantagens. (Crédito: Carolco Pictures)

Mais ainda: O perfil psicológico de quem se dispõe a colonizar um novo mundo não encaixa no perfil de um serviçal. Ninguém vai abandonar a vida que tem na Terra para servir canapés pra um ricaço marciano. Até porque o perfil exigido para os primeiros colonizadores é de pessoas altamente ambiciosas, com enorme conhecimento técnico.

Uma colônia extraplanetária em sua fase inicial não tem como se dar ao luxo de levar alguém que não tenha uma contribuição direta a oferecer.

Tirando os Vermes da Areia e aquela tempestade do Perdido em Marte, que não existem, a lista de coisas que podem dar errado é imensa. Um reator nuclear que falha, todos mortos. Uma Starship que erra o pouso e acerta os habitats provisórios? Todos mortos. O sistema de suporte de vida começa a falhar e não há peças de reposição suficiente? Todos mortos. O próprio Elon Musk disse que há uma boa chance dos primeiros colonos morrerem.

Mesmo que a colônia cresça a ponto de ter um excesso de mão de obra suficiente pra sustentar uma classe de cidadãos que não contribuam com nada além de dinheiro, qual a vantagem? Você continuará morando em um planeta aonde não pode sair ao ar livre, não pode navegar no oceano, aonde não importa quanto dinheiro você tenha, a Amazon vai levar no mínimo uns 8 meses para entregar seus pacotes.

A “Comunidade” que a SpaceX planeja para Marte. Nessa escala o super-rico teria no máximo uma banheira privada. E uma privada. (Crédito: SpaceX)

Você nunca terá o espaço que tem na Terra, não poderá sequer falar diretamente com seus parentes aqui, maldito Einstein. Qualquer trabalhador braçal em um campo de arroz no Vietnã terá uma vida bem mais livre do que a sua.

Principalmente, Marte tem muito pouco lugar para dinheiro. Ninguém vai se mudar pra lá por causa do salário, não dá exatamente pra gastar o que você receber, exceto em compras vindas da Terra, que sairão muito caro, e em supérfluos como cotas extras de água, banho de banheiras, etc.

Imagine um colono inglês chegando nos EUA com o Mayflower. Se tivesse que escolher entre Ouro e um jogo de ferramentas, ele provavelmente pegaria as ferramentas.

O futuro colonizador de Marte terá uma visão muito mais pragmática, bem menos influenciada por dinheiro, e isso não combina com um hipotético bilionário querendo uma criadagem.

Claro, depois que Marte se estabelecer e começar a produzir riqueza, surgirá uma classe economicamente dominante, provavelmente segunda ou terceira geração nascidos no planeta, e aí repetiremos o velho esquema por lá também, com direito a ricos, pobres e mutantes. Até lá, Marte será muito mais próximo da Utopia espaço-comunista de Star Trek, que não funciona nem em Star Trek.

Fonte

Tradutor - Translate »