MUNDO

Biden insta remoção de comandantes militares do júri de agressões sexuais

Biden insta remoção de comandantes militares do júri de agressões sexuais
O presidente dos EUA, Joe Biden, instou o Pentágono a remover o julgamento de casos de assédio e agressões sexuais dos altos postos de comando militar do país nesta 6ª feira (2.jul.2021). Segundo ele, os processos deverão ser entregues a advogados militares independentes, registrou o Wall Street Journal.A crescente frustração do Congresso norte-americano sobre a…

O presidente dos EUA, Joe Biden, instou o Pentágono a remover o julgamento de casos de assédio e agressões sexuais dos altos postos de comando militar do país nesta 6ª feira (2.jul.2021). Segundo ele, os processos deverão ser entregues a advogados militares independentes, registrou o Wall Street Journal.

A crescente frustração do Congresso norte-americano sobre a incapacidade dos militares em lidar com esses casos impulsionou a mudança. Os comandantes das forças armadas dos EUA exercem um poder quase absoluto sobre as punições aplicadas a militares há mais de 200 anos.

“Precisamos de ações concretas que mudem a maneira como lidamos com a agressão sexual militar e que deixem claro que esses crimes não serão minimizados ou rejeitados”, disse Biden.

Embora o Pentágono tenha anunciado que priorizou a prevenção de assédio e agressões sexuais entre militares, dados do Departamento de Defesa apontam que esses incidentes dobraram desde 2010. Um relatório (em inglês) divulgado em maio apontou mais de 7,8 mil denúncias em 2020. Em 2010, foram 3.327 casos.

A afirmação de Biden demonstra apoio ao projeto de lei que tramita no Capitólio desde abril. A proposição, protocolada pela senadora Kirsten Gillibrand, entrou na ordem da Casa depois de anos de resistência do Pentágono em mover os processos para fora dos cargos de comando.

Se aprovada, a proposta priva os comandantes de decidir sobre as acusações a crimes graves –incluindo assassinatos e agressões –até 2023. Outros 66 senadores apoiaram o projeto.

Nesta 6ª feira (2.jul.2021), o Pentágono divulgou um relatório (em inglês) com diretrizes de como os EUA poderiam prevenir o assédio e agressão sexual nas forças armadas. O documento foi formulado por uma comissão encabeçada pelo secretário de Defesa, Lloyd Austin, a pedido de Biden.

A discussão traz à tona a morte da soldado Vanessa Guillen, assediada sexualmente por supervisores e assassinada por outro soldado no ano passado. “É um passo na direção certa, mas precisamos resolver o problema. Pare com esses pequenos passos e vamos trazer a mudança”, disse a advogada da família da vítima, Natalie Khawam.

Continuar lendo

Fonte

Tradutor - Translate »