NAVIOS

Amazônia e o satélite (por André Gustavo Stumpf)

Amazônia e o satélite (por André Gustavo Stumpf)
VERDE EM PÉ - Conservação: cabe ao consumidor questionar a origem dos produtos que saem da Amazônia - Paulo Vitale/VEJA Publicidade Publicidade No dia 10 de agosto de 1823, o capitão tenente inglês John Pascoe Greenfell chegou a Belém do Pará, no comando do navio de guerra Maranhão e anunciou que há quase um ano Dom Pedro…
VERDE EM PÉ - Conservação: cabe ao consumidor questionar a origem dos produtos que saem da Amazônia – Paulo Vitale/VEJA

Publicidade

Publicidade

No dia 10 de agosto de 1823, o capitão tenente inglês John Pascoe Greenfell chegou a Belém do Pará, no comando do navio de guerra Maranhão e anunciou que há quase um ano Dom Pedro I proclamara a Independência do Brasil, com apoio da Inglaterra. Afirmou não esperar nenhuma oposição.

Ocorre que a capital do Grão Pará, província que incluía os atuais Maranhão, Pará, Amazonas, Mato Grosso, Roraima e Piauí desde 1751, por ato do soberano português, mantinha ligações estreitas com Lisboa.

O Grão-Pará constituía um outro país, desde a dinastia filipina, por decisão de Filipe III, no período conhecido como união ibérica. Dois países amigos. Um seria o Grão Pará, cuja primeira capital foi São Luís e o outro, o Brasil, cuja capital era Salvador. Disposição de fazer o Brasil e Grão Pará se tornar um país só era novidade na época.

A viagem de navio a vela de Belém a Lisboa levava cerca de vinte dias. Até o Rio de Janeiro exigia cerca de dois meses. A Independência na Amazônia ocorreu em agosto de 1823 em ambiente pesado. O pessoal do norte queria permanecer ligado a Portugal. Sob ameaça de bombardeio, os paraenses aderiram ao Brasil independente.

O sentimento nacionalista português se disseminou na região por causa da decisão do Marquês de Pombal de criar a província do Grão Pará em 1757 e designar seu irmão para governar aquela vasta região, Francisco Xavier de Mendonça Furtado.

A construção do forte do Presépio em 1621 que daria origem a cidade de Santa Maria de Belém do Pará foi ato de defesa contra os ataques franceses, que reivindicavam toda a área entre o Maranhão e a Guiana Francesa.

O novo ciclo tinha por objetivo colonizar o interior, criar fortes e cidades, movimento que proporcionou a criação da Capitania do Rio Negro e sua capital, Barcelos. Manaus surgiu depois da fundação do forte da Barra, onde o rio Negro se encontra com o Amazonas.

O Brasil é um país enorme e sua história convive com visões diversas e até antagônicas. Foi descoberto por Pedro Álvares Cabral no ano de 1500. Estudiosos afirmam que Vicente Yanes Pinzon encontrou a Amazônia, em 1502, durante a terceira viagem de Colombo a América, quando batizou o Rio Amazonas de Mar Dulce.

Continua após a publicidade

D. Pedro II fez várias viagens nacionais e internacionais. Esteve na Europa, nos Estados Unidos e foi até a Terra Santa, passando pelo Egito. Jamais colocou seus pés na Amazônia. A região foi atacada por franceses, ingleses, espanhóis, alemães, holandeses e mais recentemente por norte-americanos. Pagou caro pelo atrevimento de reagir contra a Independência e tentar ficar no lado português.

O Brasil independente virou as costas para o norte. Desenvolveu o centro-sul e deixou a Amazônia à deriva. Houve geração de riqueza no fugaz momento da borracha, nos primeiros anos do século vinte. Depois veio o abandono. O Brasil se ligou ao norte apenas em 1960, quando JK inaugurou a rodovia Belém-Brasília, com mais de dois mil quilômetros de extensão. Até então o brasileiro só chegava a Belém de navio ou de avião.

Depois os governos militares decidiram recuperar o tempo perdido. E iniciaram um período de obras para integrar a área ao governo do Brasil. Naturalmente, os antigos frequentadores da região, europeus de modo geral, protestaram em nome da defesa do meio ambiente. O índio figura como porta estandarte na manifestação de protesto que emociona europeus e norte-americanos.

A questão de hoje, na Amazônia, é afirmar a presença brasileira de maneira civilizada. Ou seja, tornar evidente o respeito ao meio ambiente e a proteção da vida dos indígenas. Não há como esconder, escamotear, nem falsear sobre o que ocorre naquela imensa região, metade do território nacional. Satélites civis ou militares de diversas nacionalidades vigiam o espaço aéreo e terrestre nas 24 horas do dia. Tudo é exposto à curiosidade pública internacional. É impossível impedir que nacionais e estrangeiros saibam o que ocorre lá.

O Brasil nunca deu muita bola para a Amazônia. Henry Wickman embarcou em Santarém, em 1876, no SS Amazonas que fazia a linha Liverpool-Manaus. Levou sementes de seringueira para a Inglaterra, de onde foram transferidas para a Malásia. A consequência foi a falência da produção nacional de látex.

Hoje, os tempos digitais exigem respostas no elevado nível do desafio. Somente a empresa do empresário Elon Musk está em processo de lançar 122 satélites para prover, até 2021, internet de alta velocidade em qualquer ponto do planeta. Inclusive na Amazônia.

A proteção da floresta úmida requer forte ação de relações públicas, imprensa e tecnologia de ponta. Tentar criar narrativa própria poderá prejudicar ainda mais a já problemática imagem do Brasil no estrangeiro. E produzir novos e maiores obstáculos para o comércio exterior do país.

André Gustavo Stumpf escreve no Capital Político. Formado em Direito pela Universidade de Brasília (UnB), onde lecionou Jornalismo por uma década. Foi repórter e chefe da sucursal de Brasília da Veja, nos anos setenta. Participou do grupo que criou a Isto É, da qual foi chefe da sucursal de Brasília. Trabalhou nos dois jornais de Brasília, foi diretor da TV Brasília e diretor de Jornalismo do Diário de Pernambuco, no Recife. Durante a Constituinte de 88, foi coordenador de política do Jornal do Brasil. Em 1984, em Washington, Estados Unidos, obteve o título de Master em Políticas Públicas (Master of International Public Policy) com especialização política na América Latina, da School of Advanced International Studies (SAIS). Atualmente escreve no Correio Braziliense.

Continua após a publicidade

Fonte

Tradutor - Translate »